Drogas para quê?

Peço sua licença para uma mensagem que muitos chamam de careta, ultrapassada, conservadora e, para alguns, moralista, antes de seu fim de semana.

Vou falar sobre drogas, mas não vou falar sob a perspectiva da lei e nem de julgamentos que sejam acompanhados de rótulos e preconceitos. Legal ou não, para minha análise, tanto faz.

O que quero ressaltar é o valor que tem cada neurônio de meu cérebro e sobre o prazer pessoal que tenho em estar sóbrio para tomar sempre as melhores decisões que me levarão a meus objetivos.

Cada um fuma, enfia no nariz ou injeta em suas veias o que quiser. Não estou aqui para julgar, mas sim para aconselhar.

É falsa a afirmação de que você tenha ou sempre terá controle sobre as substâncias químicas capazes de destruir seu presente e futuro em troca de um pequeno momento de prazer. Como disse, tanto faz se é legal ou não é. Eu não uso drogas e não sou melhor do que ninguém por isso, mas recomendo que você faça o mesmo, pois temos escolha sobre o que podemos plantar, mas não temos controle sobre o que vamos colher.

Meu coração ficou apertado quando assisti a este vídeo abaixo com uma menina bem jovem chegando ao extremo da degradação e da humilhação nas mãos de traficantes que, além de idiotas, perderam a noção do valor da vida humana e exalam indiferença e maldade em cada risadinha que zomba da desgraça alheia.

Poderia ser sua irmã ou sua filha. Legal ou não, tanto faz. Usar ou não usar, sim, esta é a questão e não depende de qualquer política pública ou orientação ideológica. Depende apenas de sua decisão. Faça um favor para seu futuro: não use drogas.

Experimente empreender, que você terá muito mais emoções do que esse barato passageiro que pode chegar ao extremo da degradação da dignidade humana.

Empreender é muito louco e não é para gente careta que tem medo de viajar em seus sonhos. O barato é profundo e gera muita adrenalina. Não é para fracos. É para quem realmente quer sair da Matrix.

Comentários

comentários